A composição da diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos de Hortolândia está na justiça. O vice-presidente da entidade, José Bispo da Paz, foi excluído do cargo após uma sindicância concluir que ele infringiu “gravemente” o estatuto do Sindicato. Três dias antes da expulsão do vice-presidente, o presidente da entidade, Sidnei Antonio Correia, o Maninho, renunciou ao cargo. Com isso, a diretoria foi realocada e o então secretário geral, Milton Viana, foi eleito presidente pela maioria dos dirigentes. No entanto, a minoria da diretoria, que votou contra a saída de Bispo, está impedindo a atuação do novo presidente eleito.

O vice-presidente foi excluído por ter omitido da diretoria do sindicato que uma retroescavadeira roubada em junho do ano passado teria ficado em um imóvel do Sindicato. A diretoria ficou sabendo apenas após um ano a partir de uma notificação da justiça.  A caseira que cuida do local teria até sido presa e depois liberada após pagar fiança. Ele teria orientado a caseira dizer no Boletim de Ocorrência que a área era da Associação dos servidores públicos municipais de Hortolândia, ocultando que era do sindicato.

De acordo com a carta apresentada por Maninho, ex-presidente da entidade, no dia 18 de outubro, a renúncia aconteceu por motivações pessoais.

“Eles não querem aceitar a nova realocação, que foi decidida pela maioria da diretoria e, como eles têm algumas pessoas apoiando, como a própria advogada do Sindicato e a Administração Pública, então nós não estamos conseguindo atuar no sindicato e estamos ouvindo muitas ameaças. Nossa pretensão é acionar uma assembleia para votar a relocação da diretoria, já que a assembleia é soberana. Teoricamente, não precisaríamos acionar a assembleia, pois a realocação pode ser definida entre a diretoria, mas queremos fazer tudo da forma mais transparente possível”, disse Viana, que foi eleito como novo presidente.

Na semana passada, a Prefeitura divulgou uma portaria cessando a licença de Milton Viana que estava liberado da Prefeitura para desempenhar a função de secretário geral no Sindicato. A portaria também autoriza seu retorno ao cargo de agente de infraestrutura na Prefeitura. “Sabemos que isso aconteceu devido à influência do antigo presidente e vice-presidente na atual administração pública, mesmo eles não fazendo mais parte do quadro da Administração. O Sindicato não é de ninguém, é dos funcionários públicos, e isso precisa ficar claro”, comentou.

De acordo com ele, outro advogado já foi acionado e já está sendo solicitado na justiça o afastamento do Bispo da entidade. No entanto, até o momento, a composição da nova diretoria não consegue entrar na entidade.