O candidato a prefeito Angelo Perugini (PDT) concedeu entrevista à ASPH sobre as propostas que ele tem aos servidores públicos de Hortolândia. Além de perguntar as propostas, a ASPH questionou sobre o Plano de carreira e sobre o reajuste salarial dos servidores. Ele está na coligação ‘A mudança que você conhece’ Total de bens declarados: R$471.746,23

 

 

ASPH - O senhor acredita que as políticas públicas atuais para os servidores de Hortolândia são suficientes?

Quando assumimos o governo, em 2005, os trabalhadores estavam há 10 anos sem reajuste salarial. Fizemos justiça social e devolvemos a eles o direito de reposição salarial anual. Criamos os benefícios da cesta básica, vale-transporte e plano de saúde. Junto com os servidores, elaboramos e implantamos o Plano de Cargos e Carreira. Tudo isso foi possível porque ouvimos as necessidades dos servidores e discutimos com eles as possíveis soluções, sempre com transparência e sinceridade.

 

Quais são suas propostas para os servidores?

De imediato, vamos retomar o diálogo com os servidores das diversas áreas para fazer a reestruturação do Plano de Cargos e Carreira e revisar o Estatuto dos Servidores. Também vamos fortalecer a Escola de Gestão com a oferta de cursos gratuitos que ajudem na progressão da carreira do servidor. Junto com os trabalhadores, vamos definir as ações para oferecer mais oportunidades e condições de trabalho.

 

ASPH - Como o senhor pretende pô-las em prática?

É o diálogo com os servidores que vai nortear nossos trabalhos em prol da ampliação de oportunidades e das condições de trabalho dos servidores. Foi assim, ouvindo os trabalhadores, que de 2005 a 2012, conseguimos colocar em prática ações que fizeram a diferença na vida dos servidores e das suas famílias. Vamos tratar os servidores com respeito, sem autoritarismo, sem arrogância.

 

ASPH -De que forma isso contribuirá para a valorização dos servidores?

Quando a gente ouve as pessoas, está aberto ao diálogo, é porque realmente nos importamos com as necessidades delas e estamos dispostos a buscar uma solução. Ouvir o servidor é demonstrar valor e respeito por ele. Nós queremos retomar o diálogo para, junto com os trabalhadores, construirmos políticas públicas em benefício dos servidores. Tem que ter participação. Onde não há diálogo e abertura para participação não há respeito.

 

ASPH -O senhor acredita que o piso salarial atual pago à toda classe de servidores é suficiente?

É preciso melhorar, mas isso depende da evolução da receita municipal. A Lei de Responsabilidade Fiscal proíbe gastos com a folha de pagamento superior a 54% do orçamento. É por isso que temos que recuperar a economia da nossa cidade. Com mais empresas, empregos e fortalecimento do comércio, o município arrecada mais e passa a ter condições de investir nos servidores.

 

ASPH - O senhor avalia que o plano de carreira atual é suficiente para a valorização dos servidores?

O plano de carreira precisa ser reestruturado de modo que seja justo para todos os servidores. Vamos fazer isso junto com os trabalhadores. São eles que vão apontar as mudanças necessárias. Nosso sonho é poder atender as reivindicações que serão feitas. Nossos principais projetos de governo estão nas áreas de Saúde, Educação e Segurança, cujos profissionais cuidam diretamente das pessoas, então temos que valorizar esses trabalhadores.

 

ASPH - O senhor acredita que a valorização do servidor público contribui para a qualidade dos serviços prestados à população?

Cada servidor municipal, independente da função, é fundamental para o poder público prestar um bom serviço à população. Por isso, merece valorização e respeito. A valorização e o respeito passam pela abertura do diálogo. Nos oito anos do nosso governo, trabalhamos para garantir novas oportunidades e condições de trabalho para os servidores. Conseguimos muitas conquistas. A partir do ano que vem, vamos retomar esse trabalho.

 

 

 

Que mensagem o senhor deixaria aos servidores?

Em primeiro lugar preciso agradecer aos servidores. Tudo que aconteceu em nosso governo, de 2005 a 2012, e transformou Hortolândia em uma nova cidade, é fruto do trabalho dos servidores. Ninguém faz nada sozinho. Quero dizer também que os sonhos estão abertos para serem renovados. Em 2005, sonhamos junto com o funcionalismo a devolução do direito de reajuste salarial anual e conseguimos. Sonhamos com benefícios como a cesta básica e o plano de saúde e conseguimos. Sonhamos com o Plano de Cargos e Carreira e o Estatuto do Servidor,  e conseguimos. Sonhamos com a Escola de Gestão e conseguimos. Nosso governo vai manter o diálogo aberto com os trabalhadores e será um facilitador para melhorar as condições de trabalho e qualidade de vida dos servidores.