O servidor público de Hortolândia, Felipe Oliveira, que é auxiliar administrativo no Núcleo de Avaliação e Controle da Secretaria de Saúde, ganhou uma missão fora do seu expediente. A música. Em sua rotina, a música tem papel mais que especial e com muitas ‘horas extras’, estudando, ouvindo e criando novas formas de vive-la. Além de cantar, Felipe também é apaixonado por cordas: violão, guitarra, contrabaixo, viola e outros. “A música eleva o nosso estado de espírito, despertando sensações novas a cada nota. Acho que os sentimentos são os mais variados possíveis, desde a alegria de se estar vivo, pulando, cantando, dançando, celebrando algo, com músicas mais animadas, até a reflexão e a entrega que as músicas, digamos, mais introspectivas proporcionam. Resumindo, a música me faz sentir vivo, me faz escapar, por alguns instantes, do mundo, me faz, literalmente, viajar. E viajar para onde eu quiser, para onde necessito ir”, elevou o servidor. Ele, que é formado em Jornalismo, e, neste ano, completa oito anos como concursado na Prefeitura tem o sonho de poder desenvolver outros dons dentro do serviço público. “Espero um dia poder ter a oportunidade de contribuir com o que sei e com o que amo fazer. Falo de duas grandes paixões que possuo: o jornalismo e a cultura. Amo comunicação social, em especial o jornalismo. A importância e a beleza dessa profissão sempre me fascinaram, antes mesmo de eu entrar na faculdade. A cultura e as artes são áreas que me encantam, principalmente as artes cênicas e a música, claro. Interpretar é muito gratificante e muito importante à medida que desperta no público emoções e sensações, muitas vezes, inovadoras, capazes de transformar o indivíduo. Tenho também várias ideias, pois já trabalhei na Secretaria de Cultura, ainda como estagiário, há uns 10 anos. Gosto muito área. Trabalhei inclusive com teatro, na oportunidade, dando uma oficina. Teatro, música, dança são essenciais para a cidade, mas infelizmente a cidade ainda carece muito disso. Quanto à música, acho que dispensa comentários. O poder e o fascínio que ela exerce na humanidade nas diversas culturas desde os tempos mais longínquos, é algo realmente divino”, comentou o servidor público, repleto de sonhos.